Rogério, esse é o nome do mais novo trabalho da Supercombo, banda que ficou nacionalmente conhecida após sua elétrica participação no programa Superstar da Globo.

O álbum foi lançado em meados de Junho/2016 e já está disponível nas plataformas digitais (como tem sido de costume, fica a dica ai); e a banda além de lançar as músicas no formato digital lançou também um material artístico de encarte muito bem feito que pode ser baixado aqui. (sério mesmo, confere esse encarte, de preferencia enquanto escuta o CD.)

O interessante é que quando escutei o álbum pela primeira vez, não notei que se tratava de um álbum com uma intenção geral, ouvi o álbum despretensiosamente e só no finalzinho dele fui percebendo as referências, isso porque ouvi antes de ler qualquer coisa sobre. E de certa forma foi muito legal, perceber as camadas do trabalho, a forma como as letras se comunicam, as fotos do encarte, enfim.. foi uma experiência por certo divertida.

DEI UMA MORDIDA NO PÃO QUE ROGÉRIO AMASSOU
UMA GOURMETIZADA, UNS TEMPEROS, VENDI NO FOODTRUCK
EU SOU QUASE UM MAGAIVER DO SÉCULO 21
SE TU NÃO ACREDITA COMPRA INGRESSO E VAI NO MEU WORKSHOP

 

supercombo - rogerio

Supercombo – Rogério (2016)

A banda resolveu convidar diversos nomes do novo cenário da música brasileira para participações pontuais em algumas músicas, e isso na minha opinião fez toda a diferença na história do álbum, duetos quando bem feitos são muito bem vindos, eles dão aquela pitada que faltava para a música, algo que a própria banda não seria capaz de produzir sozinha, e a Supercombo acertou em todas as tentativas.

As participações foram de:

  • Lucas Silveira(Fresno), na faixa “Bomba Relógio”
    Raony e Keops (Medulla) na faixa Magaiver
    Gustavo Bertoni (Scalene, que já está confirmada no Rock no Vale de 2016) em “Grão de Areia”
    Emmily Barreto (Far From Alaska) em “A Piscina e o Karma”
    Negra Li, em “Lentes”
    Sérgio Britto (Titãs) na canção “Eutanásia”
    Mauro Henrique (Oficina G3) na faixa “Monstros”

 

AS CRIATURAS DAS PROFUNDEZAS DO EDREDOM
QUEREM ME EXPULSAR DO QUARTO
VAI TOMAR UM SOL
QUE EU NÃO SOU MAIS O MESMO
QUE EU VIVO NO PASSADO
E NÃO ME ASSUSTO COM O QUE ANTES ERA
MEU ROGÉRIO

A Supercombo conseguiu manter o pique do último álbum, com letras super criativas e músicas cheias de misturas e influências que acabam criando um rock só deles, que ao mesmo tempo lembra a gente um monte de coisa que temos impressão de já ter ouvido por ai. As letras em especial são um caso a parte, por se tratar de uma tentativa de contar uma história ou de dar significado à persona “Rogério”, se trata de um trabalho que carece um pouco mais de atenção na interpretação das letras, não é só sair escutando assim de qualquer jeito.

DESDE QUE VOCÊ VEIO MORAR MINHA VIDA É UM INFERNO
O INFERNO MAIS BONITO QUE SE HÁ
NO PLANETA TERRA
ÀS VEZES EU RECLAMO MAS EU TO SEMPRE DE PÉ.

 

supercombo banda

Supercombo

No encarte digital temos uma dica bem legal para entender as imagens feitas para o mesmo, onde encontramos o escrito: “ROGÉRIO SIT IN SINGULIS NOBIS“, está curioso? Procura no Google a tradução e escuta logo esse álbum que está muito divertido e foi super bem produzido. Parabéns pros caras da Supercombo! Esperamos ouvir muita coisa boa de vocês ainda. No site da banda você pode adquirir o CD em formato físico e ainda pode comprar umas canecas, camisas, etc..

EU QUERO SUBIR E JÁ CHEGAR CHEGANDO
NA FESTA DOS QUE JÁ ACHAM QUE VÃO SUBIR PRO CÉU
SÓ PRA VER GERAL CAINDO DE TOBOGÃ

 

Supercombo - Rogério (2016)
O álbum é muito bom, apesar de já se preocupar mais com o quesito "comercial". Merece ser ouvido e apreciado. Conta com um encarte muito bem feito e com letras bem legais. Recomendo!
Identidade72%
Queria ter uma banda assim55%
Álbum temático71%
Criatividade nos arranjos89%
Pelas participações especiais bem colocadas83%
Preferidas
  • Monstros
  • Magaiver
  • Eutanásia
Não gostei tanto de:
  • Algumas letras são mais 'pesadas', isoladamente fica até um pouco 'depre'
74%Total
Avaliação do Público: (25 Votes)
83%
  • Alesson Gois

    Hey, muito interessante isso aí, viu!