Michel da Luz é um artista cristão brasileiro, tecladista, vocalista e ainda é pastor de uma igreja no Sul do país. Já lançou um total de 10 álbuns ao longo de sua carreira, alguns como participante e os 3 mais recentes como artista principal. Sola Gratia é o terceiro trabalho dele e já é sem dúvidas um dos grandes álbuns do rock cristão no Brasil.

Eu já tinha ouvido falar do Michel em 2015 quando alguém mandou pra gente um e-mail falando do trabalho dele, mas lembro me que na época eles estavam buscando uma gravadora ou promotora não lembro bem, e não era esse o nosso papel, e foi isso, passou batido e a vida seguiu. E no final do ano passado, por pura sorte vi um compartilhamento do álbum em questão no Facebook e logo fui fisgado pela arte da capa que vocês conferem logo abaixo.

Michel da Luz – Sola Gratia (2016)

E como já aconteceu em outras situações, lá estava eu escutando um álbum simplesmente porque a capa era bonita, e pra minha sorte, a música também era. Logo nas primeiras faixas concluí que se tratava de um trabalho profissional e que por certo deu muito trabalho para ser idealizado e realizado. Os arranjos, a temática, a mixagem, a proposta, enfim, tudo muito bom. E o que mais me cativou foi o fato de o álbum ser cantado em português. Quem compõe sabe como é muito mais confortável e mais fácil escrever músicas em inglês, principalmente rock. São poucos os que conseguem fazer boas letras para serem cantadas em português sem parecer algo muito forçado.

Como não quero me prolongar muito nesse review, vou destacar aqui a qualidade dos músicos que o  Michel encontrou para trabalhar com ele nesse álbum. Com um pequeno destaque para o  guitarrista Victor Paradela que eu conheci pelo Rodolfo Abrantes,  que como sempre arrebentou nos timbres e na proposta das guitarras para esse excelente álbum de rock progressivo. Os outros integrantes são Levi Muniz no baixo e Edgar Maccoppi que também é produtor musical e ficou responsável pela bateria e gravação do álbum. O disco ainda conta com a participação de Adson Sodré (guitarrista do Neal Morse, olha que xique) Braion Jhonny (sopros), Marcio Bicaco (tímpanos e percussões) e Nestor Freese nas leituras das teses de Lutero e trechos bíblicos em alemão.

A musicalidade de Sola Gratia é um prato cheio para os amantes de rock progressivo, músicas muito bem construídas, arranjos bem elaborados e letras bastante explicitas abordando um dos assuntos principais da reforma protestante, a Graça de Deus em nossas vidas e a importância de vivermos pautados pela palavra de Deus.

As influências musicais são claras, podemos citar o grande Neal Morse como ponto focal nesse leque de bandas que servem de referencia para esse trabalho. A produção do álbum é muito rica e envolve na última faixa um coral infantil que dá um ar muito bacana para a faixa, chega a ser até um pouco sombrio, gostei muito do arranjo. Nas demais faixas temos a entrada de instrumentos de sopros e percussão sinfônica. Como disse, por se tratar de um álbum de um artista independente e infelizmente pouco conhecido, foi uma grande e boa surpresa ouvir esse álbum, já está na minha lista de favoritos do ano, apesar de ter sido lançado em 2016.

 

 

 

Primeiras Impressões: Michel da Luz - Sola Gratia (2016)
Sola Gratia é um excelente álbum de rock progressivo produzido no Brasil e cantado em português. Se você é fã do estilo, recomendo fortemente.
Capa do álbum90%
Tema conceitual e Letras87%
Músicas e arranjos79%
Produção Geral79%
Vocais64%
Instrumental78%
Melhores Faixas
  • A Chegada
  • Sola Gratia
  • Luther
Pontos Negativos
  • São apenas 7 faixas
  • Faltou divulgação
  • Provavelmente nunca verei um show ao vivo
82%Pontuação Total
Avaliação do Público: (5 Votes)
87%
  • Alesson Gois

    Muito louvável o trabalho desse cara!

    • Michel R. da Luz

      Valeu Alesson, abraços!

  • Saulo Porto

    Conheci através da indicação do Deivid e já estou curtindo o som. Muito bom!