Lembro me como se fosse ontem, os álbuns ao vivo tinham prioridade sobre os álbuns de estúdio na hora de decidir entre qual levar lá livraria cristã do centro da cidade, que por sinal era a única da cidade inteira.

O álbum ao vivo me trazia aquela sensação de “estar no show”, já que ir de fato a um show era algo que acontecia uma ou duas vezes por ano. O set-list dos álbuns ao vivo era na maioria dos casos as melhores músicas já lançadas até aquele momento da banda, e isso sem falar que quando uma banda decidia registrar um show ao vivo, normalmente as músicas antigas sofriam uma agradável repaginação. Novos arranjos lembrando os antigos, novos solos, um novo groove, participações especiais, os famosos “Medleys” ou “Pot-pourri”, e pra fechar com chave de ouro, um lindo registro em VHS do show. Mas apesar de me lembrar como se fosse ontem, isso já faz mais de 10 anos, ora essa, VHS é dá sua época?

Hoje em dia os registros ao vivo nem sempre são ao vivo mesmo, muitos acabam indo pro “ao vivo” já no primeiro ou segundo álbum, o trabalho vem repleto de músicas inéditas quando antes eram 2 ou quando muito eram 3. As “repaginadas” já quase não existem, e toda aquela dinâmica do registro ao vivo com direito a certos “erros de gravação”, aquele chiado no fundo, o grito ensurdecedor da platéia e tudo que eu procurava nesses tipos de lançamento, já não acontecem mais.

Não quero dizer com isso que não existam mais bons álbuns ao vivo, mas sem dúvidas, como se diz por ai, “antigamente era melhor”.

Pensando nisso, resolvi fazer uma nova série no AM comentando os primeiros e melhores álbuns ao vivo que tive oportunidade de conhecer. Começo essa série com o primeiro CD original que tive em minha coleção. Na época minha mãe trabalhava como revendedora de uma livraria “gospel” em Belo Horizonte, lembro me bem do dia em que ela me presenteou com aquele BOX vermelho ainda embalado no plástico, coisa mais linda de Deus. Era o álbum mais recente da Catedral, 10 Anos ao vivo. Foi ai que tudo começou..

 

Catedral - 10 Anos Ao vivo (Acústico/Elétrico)

Catedral – 10 Anos Ao vivo (Acústico/Elétrico)

 

Esse não foi o primeiro álbum ao vivo da banda, eles já haviam lançado um outro álbum 5 anos antes, comemorando obviamente os 5 anos de banda, o desconhecido “Ao Vivo no Canecão”. Não é um registro muito bom musicalmente falando, mas para quem gostava, era quase que item de colecionador. O registro dos 10 anos por sua vez não deixou a desejar. Foi lançado em 1997 pela MK Music, álbum duplo com um encarte espetacular (não só para a época), com direito a faixa multi-mídia, letras de todas as músicas e fotos. O primeiro CD (vermelho) é o acústico, os clássicos dos últimos 7 álbuns em versões acústicas brilhantes. O segundo CD (branco) é o elétrico, uma parte menor do show com mais peso e solos de guitarra muito bem elaborados pelo saudoso César, grande guitarrista. Para nós, crentes, era um álbum para ninguém botar defeito, era o que havia de melhor na cena cristã nacional na década de 90, sem internet e sem acesso aos artistas menos conhecidos, pois já nessa época muita coisa vinha sendo feita, porém no Underground.

Há quem diga que eles eram uma cópia mal feita de Legião Urbana, sim, acreditem ou não, nascido em berço evangélico, conheci primeiro Catedral, só depois veio o Legião Urbana (e nem gostei tanto). Hoje a Catedral já não é uma das minhas bandas favoritas, mas sempre que volto nesse trabalho me lembro da minha cópia original que alguns anos depois emprestei para algum colega de escola e nunca mais a vi (aprendam crianças, CD não é coisa de emprestar, eles nunca voltam como foram, se é que voltam). Hoje no mercado livre esse registro original custa uma bagatela de R$150,00 reais, usado, claro.

Tenho um carinho especial por esse álbum pois querendo ou não, foi ele que me introduziu no “rock” se assim posso dizer. Mais tarde vim a conhecer outras bandas como Resgate, Oficina G3, Rebanhão e com a chegada da internet em minha vida, Stryper, Bride e tantas outras. Mas Catedral era o que tinha para queles momentos, e eu soube aproveitar muito bem.

A track-list do álbum foi a seguinte:

Disco 1 (acústico)

1 – Você
2 – Todos os Dias
3 – O Silêncio
4 – Perto de Mim
5 – Amor Verdadeiro
6 – O Sermão do Monte
7 – Simplesmente
8 – Catedral Song
9 – Fonte
10 – Criação
11 – Um Novo Tempo
12 – É tão Normal ser Feliz
13 – Pedro Zé um Nordestino

Disco 2 (elétrico)

1 – Contra todo Mal
2 – Carpe Diem
3 – Quando o Verão Chegar
4 – Nas Ruínas algo está de Pé
5 – Pelas Ruas da Cidade
6 – No meu País
7 – Terceiro Mundo
8 – Resplandece
9 – Resplandece (instrumental)
10 – Faixa Multimídia Interativa

Para quem gosta, segue abaixo o registro do show (VHS), bateu aquela saudade também?

 

 

  • Thiago Fermorais

    Simplesmente, um clássico !