modelo-posts

Tão polêmicos quanto mamilos é o Grindcore. Vertente do Death Metal popularizada pelo Carcass no final dos anos 80, o Gore/Grind divide muitas opiniões devido as temáticas e sonoridade produzidas. Falando tradicionalmente sobre doenças, violência, racismo, pornografia e mutilações corpóreas em pouquíssimos minutos (e até mesmo alguns segundos), o estilo foi visto com muito receio quando incorporado pelos músicos cristãos. Contudo, vale lembrar que os fãs de Grind também fazem parte de um campo missionário a ser alcançado.

Apesar de existirem elementos (pig squeals e a bateria super rápida) em bandas de outros estilos como a Impeding Doom e Antidemon, temos alguns representantes significativos da cena.  Confira:

ATENÇÃO: Algumas imagens são fortes, por isso pense bem antes de prosseguir.

Vomitorial Corpulence

Banda australiana de 1992 pioneira do gênero no meio cristão. Lançaram dois discos Karrionic Hacktician (1995), Pathetic Prolification (1996),  Skin Stripper (1998) e Insalubrious Collagery Of Pernicious Sepsis Infestation (2003). Onde se sabe, a banda encerrou em 2008.

Vomitorial Corpulence - Pathetic Prolification (1996)

Pathetic Prolification (1996)

 

 

Empty Grave

Banda brasileira que lançou o disco “Inside The Man There Is An Empty Space Which Has The Size Of God”, em 1999 ou 2000, com 50 faixas, cada uma média de 30s de duração. O som puxa para o Gorenoise/Noisecore/Goregrind.

InsideTheManThereIsAnEmptySpaceWhichHasTheSizeOfGod

Inside The Man There Is An Empty Space Which Has The Size Of God (1999-2000?)

 

 

Vomitous Discharge

One-man band da Alemanha. Ficou ativa de 2006 a 2010. Nesse período lançou dois discos: Festering Carcass Covered with Rot (2007) e Excavation of Rarities (2009), além de diversos splits.

Vomitous Discharge - Festering Carcass Covered With Rot (2007)

Festering Carcass Covered with Rot (2007)

 

 

Rehumanize

Com 3 anos de carreira (2007-2010), os panamenses entregaram – fora os splits -, os álbuns e um EP. Human Depravity (2008) e Resident Apostasy (2009), além do EP Grindocalypse, em 2010. A sonoridade tem influência do Death Metal.

Resident Apostasy (2009)

Resident Apostasy (2009)

 

Flesh Incineration

Uma das poucas bandas em atividade, a Flesh Incineration vem dos EUA trazendo seu disco Nescient Atrophy, lançado em 2014 com 23 faixas que não ultrapassam 2min e contam com a influência do Death Metal.

Nescient Atrophy (2014)

Nescient Atrophy (2014)

 

Demonic Dismemberment

Considerada como “anti-música”, o som dessa banda norte-americana é totalmente noise. Fora as parcerias, a banda tem uma demo de 2005 com 30 faixas.

Demonic Dismemberment - Demo 2005

Demo (2005)

 

 

Baphomet Evisceration

Mais uma banda dos EUA que conta com o vocal do Broc Toney (Eternal Mystery, Rehumanize, Flesh Denial, Risen Corpse). Possuem o EP que leva o nome da banda, lançado em 2008.

Baphomet Evisceration EP (

Baphomet Evisceration EP (2008)

 

 

Dead Snake

Representante nacional na ativa. Tive o prazer de ver uma apresentação insana da Dead Snake aqui em Recife. A dupla formada pelo Davi e pela Juliana detonam no palco, sem falar que são de uma humildade ímpar. No momento eles só tem o EP Terror Nocturno de 2009. Indicado para fãs do Antidemon.

2cqd28i

Terror Nocturno (2009)

 

 

No Return To My Vomit

O Goregrind dialoga bastante com o Raw Black Metal (vertente mais caótica do Black). E não é raro músicos desse estilo ter projetos dentro do Grind. No Return To My Vomit é um exemplo delas. Ramificação da polonesa Elgibbor, ela lançou duas demos: D.B.S. (2005 ) e Harmageddon Splatter (2007).

No Return To My Vomit - Harmageddon Splatter (Demo) 2007

Harmageddon Splatter (2007)

 

Swinery

Para encerrar a lista, uma das mais contemporâneas bandas do gênero. A também norte-americana Swinery faz um grindcore muito intenso e limpo, modernizando-se com alguns breakdowns do deathcore. A banda tem um self-title de 2014 e um novo disco sem data de lançamento.

Swinery (2014)

Swinery (2014)